sábado, 20 de junho de 2009

Os doze princípios da inteligência espiritual por Danah Zohar


Os 12 princípios da inteligência espiritual por Danah Zohar

“Ecologia interior” não é para místicos e esotéricos. Os palestrantes da primeira mesa do II Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade, que está sendo realizado em São Paulo, concordam que é preciso avançar nas questões sociais antes de se pensar em resolver os conflitos envolvendo meio ambiente. Respeito a diversidade, apego à arte e as coisas belas e postura individual voltada pela paz: esse foi o tom das falas, mas um eu voltado à conexão com o universo.

Viagem? Muito inspiradora, na fala da física e filósofa americana Danah Zohar. Formada pelo MIT – Massachusetts Institute of Technology, dá aulas sobre liderança em Oxford, na Inglaterra, e escreve livros sobre física quântica – alguns já publicados no Brasil (clique aqui para vê-los). Deu uma “aula” estimulante não sobre ecologia, mas sobre inteligência espiritual – tão necessária para que a as ações pelo meio ambiente encontrem eco em toda a sociedade.

“Inteligência espiritual tem a ver com o que eu sou, com os meus valores”, lembra a pensadora, que avisa: precisamos alimentar essa inteligência para motivar a cooperação – entre a família, a comunidade, os países. Só assim vamos encontrar soluções positivas para o planeta, e nos encontrar nessa busca também.

Acompanhe o que Danah expôs sobre os princípios da inteligência espiritual – e motive-se!

1.Tenha pensamentos positivos, sempre. Não pense como vítima das circusntâncias, pense que sofrer é uma oportunidade de ser forte. “A crise econômica atual” é uma oportunidade de pensar nossos valores”, lembra Danah.

2. Descubra quem você é. O que me faz levantar de manhã? Para que eu vivo, por o que daria minha vida? O que me motiva para fazer coisas todos os dias? Quem eu sou realmente? Comprar, trabalhar, sair com os amigos faz parte de nosso universo, mas o “ser” é mais do que isso. Quando eu digo “minha vida é minha oração”, significa saber que minha vida é um ´presente de Deus e que precisamos fazer a diferença nesse planeta.

3. Tenha humildade. Precisamos saber que o que fazemos parte de um sistema, e que precisamos prestar atenção nos outros, lembrando que existem diversos pontos-de-vista – não o seu, unicamente.

4. Viva a compaixão. A origem dessa palavra significa “sentir com”. Sentir a dor do outro como se fosse a sua dor. “Eu não somente cuido dos pobres, eu sou pobre. “O planeta é parte de mim – nascemos quando o Big Bang surgiu”. Lembre-se sempre: eu sinto que sou você, e que você sou eu.

5. Reveja seus valores. Precisamos pensar menos em “eu, mim” e mais em “nós, nossos”. E precisamos rever nossos valores para servir uns aos outros. Compo fazer isso? “Pergunte a você mesmo, qual é o melhor que você pode dar”.avisa a filósofa.

6. Viva o presente. Tire o peso do passado e das preocupações – e.viva o agora!

7. Estamos conectados, e o jeito que vivo minha vida afeta a vida do outro. “Se me sinto negativo, espalho essa negatividade para minhas relações, minha comunidade. Mas se me sinto esperançosa e que posso fazer melhor, espalho essa atitude para as outras pessoas”.

8. Responda a uma questão fundamental: sempre perguntar porquê! Nós nos fechamos a verdade se não questionamos.

9. Mude a sua mente, seus paradigmas, e coloque seus pontos-de-vista sob uma nova perspectiva. Isso é muito necessário no meio empresarial, destacou Danah. “Precisamos de uma revolução do pensamento também nas lideranças e na educação”. Educação significa memorização, imposição? Ou é ajudar as crianças a fazerem boas perguntas? “A mídia também precisa rever o seu papel e ajudar as pessoas a formarem consciência crítica.

10. Valorize seus princípios, mesmo que sejam impopulares. Entretanto, não seja arrogante de que está certo, mas questione-se. Escute os outros, mas veja o que você quer acreditar, para o que você quer lutar.

11. Celebre a diversidade. Isso não significa numa empresa, por exemplo, colocar uma mulher ou negro num cargo alto, mas construir um pensamento do que significa a diferença para você, e o que ela tem a te ensinar. Dizer “obrigada por ser diferente, por me fazer questionar a mim mesmo”.

12. Descubra a sua vocação, o seu propósito de vida e em como você pode fazer a a diferença. “Você não precisa ser o Gandhi ou o Barack Obama. Cozinhar um bolo pra sua família, um pai que vai brincar com seu filho, dando o seu melhor, é uma maneira de servir a humanidade com o melhor que temos”.

Para terminar, um recado aos educomunicadores e educadores em geral: “eu chamo a todos para a revolução não-violenta, onde as novas tecnologias podem mudar o mundo, sim, e que é preciso acreditar que você pode fazer a diferença”.

fonte: http://belezasustentavel.wordpress.com/

11 comentários:

  1. Sim estamos nesta vida para fazer nosso melhor, somos todos um só em busca do amor, só assim talvez tenhamos um mundo melhor, cada um deve ensinar e aprender com todos, paz, simplesmente uma mãe chamada Lisette.

    ResponderExcluir
  2. Pessoas como Dana trazem respostas de fácil compreensão, delicadeza e beleza ao milagre o qual estamos expostos, para nossas mudanças interiores na vida cotidiana.
    Tudo começa de dentro para fora, e estamos interconectados,sabendo ou não, querendo ou não.

    Uma vela acesa ilumina todo ambiente, e a todos que ali estiverem nas devidas proporções.
    Os que encontram-se mais próximos a chama, receberão maior claridade e os que não estão próximos, também receberão iluminação proporcional.


    Renata Freitas
    www.renatafreitas.com.br

    ResponderExcluir
  3. A nossa existência deve ser algo além do acordar, consumir e dormir. O exercício da parte espiritual é necessário e como eternos aprendizes precisamos ouvir a nossa voz interior, seguir nossos instintos e colocar em práticas tudo de bom que recebemos de Deus.

    ResponderExcluir
  4. "A nossa existência deve ser algo além do acordar, consumir e dormir. O exercício da parte espiritual é necessário e como eternos aprendizes precisamos ouvir a nossa voz interior, seguir nossos instintos e colocar em práticas tudo de bom que recebemos de Deus".
    Prezada Vera Lúcia, a nossa existência não deve ser algo além do acordar, consumir e dormir. Ela deve ser esse acordar, consumir e dormir mais algo espiritual. Quantas vezes, diante de um pedaço de bife, vocês agradeceu a vaca, dona daquela carne, que se sacrificou até a morte para que você possa viver? Viver é comer agradecendo, não à Deus, mas a tudo. Deus não precisa de agradecimentos.

    ResponderExcluir
  5. Cara dítoka, tudo o que fazemos, inclusive acordar, consumir e dormir, deve ser feito para a glória de Deus. Todas as coisas foram feitas com esse propósito: expressar a grandeza e o poder do Pai. A vaca não se sacrificou para dar vida a ninguém, ela foi sacrificada. Nós não fazemos nada para Deus porque ele precisa de nós, mas porque nós precisamos dele. Agradecer é reconhecer o outro, é ser humilde. E devemos agradecer a Deus porque é dEle que provém tudo de bom. Leia a Bíblia. Abraço.

    ResponderExcluir
  6. ESTOU A PROCURA DO LIVRO INTELIGENCIA ESPITITUAL HÁ APROXIMADAMENTE 1 ANO E NÃO ENCONTRO. ALGUEM PODE ME AJUDAR?
    Jaime Alves
    jaime7alves@gmail.com

    ResponderExcluir
  7. A inteligência é uma propriedade do espírito. Por conseguinte, toda inteligência é espiritual. "Eu estou no outro e o outro está em mim" isso é panteísmo. Para poder fazer uma análise da filosofia dessa autora será preciso conhecer o todo de suas obras, para ver como encaixá-la. Pelo que aparece aqui é mais uma obra de autoajuda.

    ResponderExcluir
  8. Concordo com quase tudo menos a parte da compaixão, se vivermos as dores dos outro nossa vida vivaria um inferno e além do mais todos nos gaugamos nossos praseres e infelicidades.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Estou ainda estudando essa mulher, mas ainda não me disse nada que outros antes, não tenha apresentado, percebi sutilidade quando se referiu a diversidade..

    ResponderExcluir